5 fontes de tráfego pago que todo profissional de marketing on-line deveria testar

Fernanda Negrini
Fernanda Negrini
|

5 fontes de tráfego pago que todo profissional de marketing on-line deveria testar

Pagar por tráfego pode ser uma ferramenta poderosa para os profissionais de marketing. Uma pesquisa de 2017 da eMarketer descobriu que 42% das pequenas e médias empresas consideram o Facebook e outros anúncios sociais o método de marketing mais eficaz à disposição delas – melhor do que seus próprios sites ou listas de e-mail!

Contudo, é possível obter tráfego pago de outras fontes além do Facebook. Tecnicamente, qualquer serviço pelo qual você paga que gere leads ou audiência para você é uma fonte de tráfego pago.

Veja alguns dos principais:

  • Midia diplay, ou seja, aqueles formatos na lateral da página que o seu bloqueador de anúncios elimina;
  • Pesquisa paga, como o Google AdWords ou Bing Ads;
  • Anúncios em mídias sociais, o conteúdo patrocinado que aparece no seu feed do Twitter, Instagram e Facebook ou antes do vídeo do YouTube
  • Descoberta paga, ou o conteúdo promovido por redes como Outbrain Amplify;
  • Conteúdo patrocinado – um tipo de marketing de conteúdo que se parece com um artigo em um site ou até mesmo uma revista impressa, mas na verdade é um content marketing para uma marca;
  • Marketing de influência, através do qual um influenciador de mídia social promove seu produto ou marca para o público dele.

Dependendo do tipo de marketing que está comprando, você pode pagar por clique (PPC/CPC), pagar por visualização (PPV), pagar por aquisição/ação (PPA) ou apenas pagar uma taxa fixa por cada ocorrência; por exemplo, com um influenciador, geralmente se compra um determinado número de publicações.

Em alguns casos de formatos online tradicionais, você pode simplesmente pagar para manter seu anúncio em exibição por um determinado período de tempo.

São muitas opções, e podem ser necessários alguns ajustes para descobrir o que funciona para você. Uma combinação de tráfego orgânico e pago geralmente é a maneira mais eficaz de expandir um negócio.

A mistura mágica exata dependerá do seu público-alvo específico, mas, quando estiver testando fontes de tráfego pago, considere estas cinco primeiro.

1. Google Adwords

Google-Ads

O AdWords é uma fonte de tráfego pago clássica que ainda oferece grandes recompensas em potencial, embora o custo por clique geralmente seja elevado.

O conceito básico é que você escolhe palavras-chave que acha que seus clientes em potencial vão buscar, e você dá lances para colocar seu anúncio como um dos resultados de busca patrocinados no topo da página.

Claro, o AdWords tornou-se muito mais sofisticado à medida que o mundo da publicidade on-line evoluiu. Agora você pode usar anúncios de busca dinâmicos, uma funcionalidade que personaliza seus anúncios com base no conteúdo do seu site e no que as pessoas estão buscando, sem ter que fazer alterações constantes em sua lista de palavras-chave.

O AdWords também oferece a possibilidade de fazer ajustes nos lances por dispositivo, segmentar usuários por área geográfica ou grupo demográfico e ressegmentar as pessoas que se engajaram com o seu site anteriormente.

Quanto mais segmentados os seus anúncios no AdWords, maior será sua chance de sucesso. É preciso fazer vários testes para descobrir exatamente quais pequenas fatias da humanidade funcionam melhor para a sua marca, portanto guarde registros detalhados de quais alterações produziram bons resultados.

Os banners têm uma má reputação, e por um bom motivo. Veja um estudo com mapas de calor do Nielsen Norman Group mostrando que até as pessoas sem bloqueadores de propagandas ignoram os formatos tradicionais:

Ao mesmo tempo, a Rede de Display do Google atinge 90% das pessoas na internet. Se os anúncios da RDG funcionarão ou não para você dependerá somente do seu público e das suas palavras-chave. Se os seus AdWords estão arrasando, pode valer a pena tentar. Ainda está em dúvida?

Aqui está um fluxograma para ajudá-lo a decidir.

Resumo

  • O AdWords agora oferece um monte de opções de segmentação e remarketing, portanto teste exaustivamente para descobrir quais funcionam;
  • Provavelmente, os banners do Google não valem a pena para a maioria das empresas, mas podem valer a tentativa se você estiver tendo bastante sucesso com o AdWords.

2. Anúncios no Facebook

95,8% dos gerentes de mídia social entrevistados disseram que os anúncios no Facebook lhes entregaram o melhor ROI de qualquer plataforma social. A publicidade no Facebook é imprescindível para qualquer um que esteja pagando por tráfego.

Mas o Facebook tem MUITAS opções, e elas estão sempre mudando. Você quer colocar o seu anúncio em feeds de notícias, no Instagram, Messenger ou na Audience Network?  Quer segmentar por local, idade, interesse ou encontrar clientes potenciais parecidos com um grupo que você sabe que já funciona, usando públicos semelhantes?

Quer usar textos, imagens, vídeos, apresentações de slides ou coleções? A vantagem do Facebook é que é possível alcançar exatamente as pessoas que você quer, exatamente da maneira que deseja alcançá-las (às vezes, até resulta em casos engraçados).

Você pode criar campanhas estáticas ou dinâmicas, pequenas ou grandes, campanhas de retargeting, com um gasto elevadíssimo ou mínimo. Existem os anúncios de cadastro no Facebook, que tornam muito fácil para as pessoas lhe darem informações. Os anúncios com link enviam as pessoas para o seu site. Ou anúncios que contêm catálogos de produtos dentro do Facebook e que fazem retargeting automático. É muita coisa para aprender, mas também é fácil de começar.

Especialistas como Jon Loomer são uma ótima maneira de ficar a par das melhores práticas, e existem um monte de ferramentas que podem ajudá-lo a otimizar sua campanha sem ter que se tornar uma autoridade no assunto.

Resumo

  • Vantagens: muitas opções;
  • Desvantagens: muitas opções;
  • Se você estiver em dúvida, peça ajuda, ou simplesmente comece a experimentar para ver o que dá certo!

3. Outbrain Amplify para anunciantes

O Amplify funciona de forma diferente do AdWords ou dos anúncios no Facebook, pois não trabalhamos com anúncios. Em vez disso, fornecemos a plataforma onde você coloca um link para o seu conteúdo incrível.

É aí que você começa o relacionamento com seu cliente em potencial, atraindo-o cada vez mais com a oferta de um conteúdo valioso, útil, divertido e cativante.

Semelhante ao Facebook e ao AdWords, o Amplify oferece um sistema de leilão de custo por clique, a possibilidade de testar várias manchetes voltadas para o mesmo conteúdo, segmentação por dispositivo, segmentação geográfica, públicos semelhantes e públicos personalizados, nossa ferramenta de retargeting.

Nossa rede premium de sites parceiros garante que você sempre receba tráfego de fontes de alta qualidade. Mais importante, porém, os algoritmos por trás da nossa plataforma de descoberta de conteúdo estão constantemente trabalhando para encontrar o público mais engajado para o seu conteúdo.

As pessoas que clicam em nossas recomendações de conteúdo são muito mais engajadas do que as provenientes de mecanismos de busca ou plataformas sociais, de acordo com esta análise de 2016:

content-discovery-vs-search-vs-social

Contudo, não se trata apenas do topo do funil: veja como Públicos Personalizados gerar quatro vezes mais conversões.

Resumo

  • A descoberta de conteúdo pode atingir os consumidores em qualquer lugar do funil de vendas;
  • O retargeting gera conversões.

4. Anúncios no Linkedin

Para quem está no mercado B2B, os anúncios nativos no LinkedIn podem ser uma ótima fonte de tráfego pago. Você pode segmentar as pessoas que visitaram seu site; segmentar por contato ou conta; ou por cargo, setor, dados demográficos ou geográficos.

As opções no Linkedin combinam imagem e texto em uma publicação patrocinada nos feeds das pessoas ou anúncios no InMail. Eles oferecem um formulário de contato pré-preenchido semelhante aos anúncios de cadastro no Facebook, mas o mais interessante no LinkedIn é a possibilidade de segmentar as pessoas com precisão de acordo com seus dados profissionais e alcançá-las no ambiente do LinkedIn.

Linkedin-Ads

Semelhante à maneira como a descoberta, tem taxas mais baixas de rejeição do que o social porque as pessoas estão no modo de “consumo de conteúdo”, quando os usuários estão dentro do LinkedIn eles estão no modo “profissional”, e veem os anúncios e leem o conteúdo com uma mentalidade diferente.

Isso pode ser muito poderoso para o anunciante certo: de acordo com o marketingland, os melhores candidatos para anúncios no LinkedIn são produtos e serviços B2B de valor elevado, recrutadores e instituições de ensino superior.

No entanto, a rede do LinkedIn cobra os anúncios com base no custo por clique e é bastante cara. Você não vai encontrar nenhuma segmentação por menos de dois dólares por clique, e muitas das opções de segmentação custam a partir de US$ 4,50. Esta, por exemplo:

linkedIn_campaign_screenshot

Resumo

  • O LinkedIn é uma ferramenta poderosa para B2B, instituições de ensino superior e recrutadores;
  • É caro, mas vale a pena para as pessoas certas.

5. Anúncios no Twitter

O Twitter é interessante porque, se você souber usá-lo, conseguirá gerar muitas interações orgânicas (leia-se: gratuitas), mas, ao mesmo tempo, as pessoas podem ficar muito desconfiadas de marcas que fazem cooptação de algo que elas enxergam como parte da cultura do Twitter.

Tweets ofensivos ou inoportunos também podem causar uma crise para gerentes de mídias sociais descuidados. “Saber usar” o Twitter significa mais do que apenas ter capacidade de fazer conversões ou gerar retweets; significa compreender e ser sensível ao meio.

Contudo, se você souber usar o Twitter, a recompensa será enorme: 94% dos clientes planejam comprar algo de uma empresa de pequeno ou médio porte que eles seguem, e 69% compraram algum produto por causa de algo que viram no Twitter.

Então vale a pena pagar para anunciar no Twitter? Com esses números, sem dúvida vale a pena tentar.

Você pode pagar para promover um único tweet, uma conta ou uma tendência, e pagar por clique, seguir a visualização de vídeo, impressão, engajamento, instalação de aplicativo ou cadastro.

Você cria uma campanha em torno do objetivo e do tipo de promoção, e então pode segmentar o público por geografia, renda, sexo, operadora de telefonia ou interesse. No caso dos “interesses”, você pode chegar ao nível de detalhamento de palavras-chave como programas de TV ou filmes específicos.

O Twitter tem um CPC bastante elevado, portanto se certifique de que qualquer coisa que você promova tenha um CTA forte, e pense bem nos seus objetivos antes de criar uma campanha.

Se você estiver gerando leads e conversões, ótimo; se estiver só pagando por seguidores, talvez consiga fazer isso com um conteúdo melhor e gratuito.

Resumo

  • Números de conversão fantásticos para pequenas empresas;
  • Certifique-se de que você não está pagando por algo que pode conseguir de graça.

Conclusão

A jornada do cliente é extremamente variada, então não se esqueça de que, na realidade, uma combinação da publicidade paga e de outros canais orgânicos é provavelmente a melhor maneira de atrair clientes em potencial para dentro do funil.

Contanto que compreenda a importância de construir confiança e proporcionar valor primeiro sem pedir nada em troca, você terá resultados com essas fontes de tráfego pago. E não se deixe envolver muito, esperando que as pessoas desçam o funil do jeito que você quer. Na verdade, ele não se parece em nada com um funil. É mais parecido com isto:

 

Fernanda Negrini

Fernanda Negrini

Fernanda Negrini, gerente de marketing da Outbrain no Brasil

Add A Comment

* Your email address will not be published. All fields are required.